INÍCIO ARTIGOS ESPÉCIES GALERIA SOBRE EQUIPE PARCEIROS CONTATO
 
 
    Artigos
 
Revisão da História da "Caridina cantonensis"
 
José María Requena - Revisão da História da "Caridina cantonensis"



Revisão da História da Caridina cantonensis


 

Gostaria de começar explicando o porquê deste especial e sua relação com o Crustanews.


O Crustanews nasceu como um veículo para comunicar a todos os aficcionados as diferentes notícias, dicas e novidades do mundo dos invertebrados de água doce.


No entanto, o nosso trabalho também é científico, e tentamos dar o maior rigor possível às nossas publicações, assim como investigar dentro das nossas possibilidades os produtos novos, espécies novas de aquário, revisões de literatura, etc.


Portanto, este especial simplesmente retoma um assunto já abordado em edições anteriores, mas que se tornou totalmente obsoleto, uma vez que a capacidade destas Caridinas gerarem novas variedades é assombrosa.


Eu também quero explicar porque este especial é lançado hoje (a edição original deste artigo em espanhol foi lançada no dia 1º de Agosto de 2014). É em comemoração ao DIIAD, o Dia Internacional de Invertebrados de Água Doce. Este dia é uma forma de unir todos os amantes de invertebrados e partilhar experiências e conhecimento.


Embora eu tenha começado este artigo há muito tempo, e tenha sido eu quem o publicou na revista, por trás dele há muitas outras pessoas que merecem reconhecimento.


A primeira é David Megías (Cyrus), cujo conhecimento de genética permitiu-me escrever o texto de uma forma mais acessível (eu acho). É um assunto realmente complexo, ainda mais para as pessoas sem uma formação em biologia, por isso sua contribuição foi fundamental.


O segundo destaque é para Marta Grau e Isaac García, cujo material didático é sempre fascinante, além do fato de fornecerem incontáveis esquemas e ilustrações, um material visual que facilita bastante a compreensão do tema.


E, finalmente, não poderia deixar de mencionar Gregory Nowinski (Novina) e os Crustahunter, cujo trabalho é uma inspiração para todos. Sua documentação fotográfica das novas variedades, assim como seu interesse em cruzar variedades e verificar novos padrões é um incentivo para continuar pesquisando sobre a genética da Caridida cantonensis.


Este número não seria possível sem a infinita paciência e ajuda de Ulli Bauer, que passou um bom tempo me explicando muitos conceitos e cruzamentos. Quero dar-lhe minha total gratidão, dar-lhe meus parabéns por ser por ser uma das pessoas mais engajadas na difusão de informações neste hobby, e, além disso tudo, ser uma incrível pessoa. 


Espero que esta revisão seja útil para melhor compreender quem são esses camarões tão conhecidos, e incentivá-lo a tentar seus próprios cruzamentos.


Alguns tópicos conhecidos em fóruns e blogs espanhóis tem como título "em busca do Blue Bolt", "experimento Taiwan" ou "dúvidas com genes". Espero também que esta atualização sirva para esclarecer muitas destas questões.


Provavelmente e sendo realista, após algum tempo uma nova atualização deste texto deverá ser feita, dado que em menos de um ano foi necessário publicar esta versão, porque o mundo dos camarões avança com passos de gigantes em alguns campos (em outros menos... infelizmente). (NT: a versão em Português incorpora a atualização publicada em 2015).


Portanto, espero que você aprecie o que sabemos desses camarões até agora, no verão de 2015.


José María Requena





CRS. Foto de Guela 


O grupo do Caridina cantonensis contém duas variedades principais de camarões. O primeiro é conhecido como Crystal e o segundo como Tiger. O Tiger é da espécie Caridina mariae, recentemente descrita. A espécie exata dos Crystal ainda é incerta (C. logemanni, C. cantonensis ou híbrido), e será mais bem discutida em outro artigo.


Todos os camarões Crystal provêm de exemplares com listras pretas (Black Crystal, CBS ou Black Bee), em conjunto com listras brancas e áreas transparentes. É uma espécie procedente do Sul da China e Taiwan. A cor preta é associada a um gene que expressa uma coloração azul intensa e vermelha misturada, resultando numa cor negra (pigmentos omocromos).


Há outra variedade selvagem que é o Orange Crystal (Orange Bee), que geralmente não é comercializado. Este camarão tem uma cor transparente-alaranjada com algumas áreas com pequenas listras pretas e brancas. É importante não confundi-lo com uma variedade que tem aparecido no mercado e está na moda atualmente, chamada de Orange Tiger ou Tangerine, que é uma espécie diferente do Caridina logemanni, e discutiremos sobre ela no final do texto.



CRS PRL, foto de Mario Portera. CRS grau SS, cruzamento de CRS e Golden, foto de Novina.



Seu habitat natural são os remansos de rios com pouca correnteza, e áreas com muitos esconderijos como pedras ou vegetação depositada. A temperatura da água é de 18-28ºC, embora o ideal situe-se entre 22-24°C. O pH varia entre 6,2-7,2, sendo a melhor faixa de 6,5-6,8; assim como uma dureza total GH<6º e dureza de carbonatos KH<2º, ou o que dá na mesma, cerca de 120-170 ppm. É uma espécie muito sensível a compostos nitrogenados e metais (especialmente cobre e ferro) que causam sua morte rapidamente.


Sua expectativa de vida é de 15 meses, e neste período eles vão se reproduzir várias vezes. A reprodução ocorre após a muda, e geralmente resulta em 20-40 ovos carregados nos pleópodos abdominais para serem incubadas por 3-4 semanas. As diferenças sexuais entre macho e fêmea são baseadas no tamanho (a fêmea é maior, com até 3,5 cm), o tamanho dos pleópodos (maiores nas fêmeas, o que juntamente com a expansão dos pleons, dão uma impressão de um abdômen mais curvo), coloração (mais intenso nas fêmeas), assim como a mancha em formato de “sela de montar” característica das Neocaridinas sp., mas que é difícil de se distinguir na maioria dos casos.




Marca de pré-ovação em CBS. Foto de Cyrus




Antes de prosseguir falando dos Camarões Abelha, é necessário um pequeno parênteses para falar sobre dois camarões que causam muitas confusões para o criador: Tangerine ou Orange Tiger, e o Aura ou Azura Blue. Mais adiante explicaremos porque são importantes. Inicialmente pensava-se que se tratava da espécie Caridina serrata, hoje se sabe que são Caridina cantonensis e portanto podem cruzar com Crystal / Taiwan, gerando descendentes férteis, com padrão semelhante aos Tibee / Taitibee em relação à coloração. Em muitos países são camarões muito usados para se criar novas linhagens de cor.


A respeito dos seus cuidados, sabe-se que são muito semelhantes aos Cristal / Taiwan. Águas ácidas e moles são a chave para o sucesso com esta espécie.



Aura Blue. Foto de Novina



Em 2015 conseguiu-se um Tangerine de olhos laranjas, cuja origem é desconhecida. Ainda sem nome, alguns o chamam de Ambar Tiger. E Waldemar Kolecki publicou o primeiro cruzamento entre as duas variedades, produzindo um camarão esverdeado chamada de Aura Green.





Tangerine e Tangerine Taitibee. Fotos de Novina

Aura Green, foto de Garnella


Voltando aos Bee, em 1993 surgiram as primeiras variedades ornamentais graças à criação em cativeiro por Hisayasu Suzuki: o Red Crystal (CRS ou Red Bee), onde as cores típicas negras estavam vermelhas.


Em 1996, a coloração vermelha é associada a uma mutação recessiva de herança mendeliana. Isto é, cruzando-se um Black Crystal e um Red Crystal, temos uma primeira geração (F1) com 100% de Black Crystal, mas heterozigótico para a cor. Cruzando-se os F1 entre si, obtemos uma segunda geração (F2), que é de 25% Black Crystal homozigótica, 50% Black Crystal heterozigótica e 25% Red Crystal. Esta mutação inibe a coloração azul intensa, deixando apenas a vermelha (pigmento astaxantina).




Ilustração com gradação de CRS feita por Isaac García



Graças à seleção em cativeiro foi-se aumentando a quantidade de vermelho ou preto até não deixar áreas transparentes, e também conseguindo-se camarões vermelhos ou pretos com listras brancas maiores, sem áreas transparentes. Destas, se selecionaram exemplares cada vez mais brancos, onde as listras brancas ocupam uma área cada vez maior, chegando a exemplares com apenas algumas marcas vermelhas ou pretas na cabeça.


Desta seleção é de onde surgiram as gradações do Red e Black Crystal, chamados com a mesma nomenclatura para ambos os camarões, variando-se somente a cor vermelha ou preta. Os exemplares obtidos por seleção cuidadosa durante anos são chamados de Pure Line (PRL e PBL). É importante entender que estes exemplares foram obtidos através de um exaustivo processo de seleção, e não foram cruzadas com outras variedades que potencializam sua cor (falaremos disto mais adiante).


Os graus baseiam-se na quantidade e qualidade de cor branca, sendo de baixo para alto grau: C (K0), B (K2), A (K4), S (K6), SS (K8) e SSS (K10).




Gradação Taiwan. Ilustração de Isaac García




Orange Bee (esquerda), foto de Novina
, e Black Crystal (direita), foto de Shong Ong.



Anos mais tarde surge uma nova variedade, onde desaparece quase todo o pigmento vermelho ou preto, deixando apenas listras ou manchas brancas (pigmentos pterina ou flavina) e tons de amarelo (luteína). Através de seleção obtiveram-se o Golden Crystal e Snow Crystal, quase inteiramente brancas e sem áreas transparentes (outros nomes: Golden Bee e Snow White), o que levou a uma classificação desta variedade em baixo grau, médio e alto, de acordo com a quantidade e qualidade de branco.


Historicamente, esta variedade havia sido associada a uma mutação recessiva que foi chamada de mutação Golden ou acromática (albinismo), que inibe a cor e com duas variantes: uma para a variante negra (chamado Snow, com cor branca pura) e uma para a variante vermelha (chamada Golden, com tons dourado-alaranjados). Porém, recentemente esta máxima foi colocada em dúvida, existe uma forte corrente que argumenta que estas variedades são produto de cruzamentos entre Crystals e Tigers (ou seja, um Tibee), com a contribuição da cor base dos Crystal e o branco das Tiger.



Snow White, foto de Novina, e Golden, foto de Ruligan.



Todos os camarões fenotipicamente brancos podem apresentar ocasionalmente um padrão Rili, ou seja, uma faixa transparente central e um cefalotórax e pleon brancos. Esta variedade é chamada de Skeleton Crystal ou Rili de Nood.





Golden Skeleton. Foto de Jmlast



Agora temos que voltar um pouco aos parágrafos anteriores e explicar o que acontece quando se cruza uma CBS/CRS com um camarão Golden. O resultado é uma melhora (aparente) na sua graduação, ou seja, aumentará a sua quantidade de branco e a expressão de seu preto ou vermelho será reduzida, resultando no mesmo efeito que as Pure Line. É importante diferenciá-las, uma vez que podem parecer idênticas à primeira vista (embora geralmente o branco seja de pior qualidade e mais amarelado-alaranjado), mas geneticamente são muito diferentes, pois se perde a pureza genética, assim como o seu preço.


No verão de 2006, Yeh Ching Chun têm êxito na criação de uma suposta nova mutação, Taiwan, e que seria recessiva e com efeito cumulativo (as F1 e gerações posteriores terão mais cor). Por muito tempo falou-se que este gene levaria a um padrão hipercromático de lipocromo, ou seja, um gene que aumenta a coloração do camarão, e tem herança independente dos genes recessivos preto/vermelho e do gene Golden. 


Hoje, esta teoria também está sendo colocada em xeque, evidências sugerem que a variedade Taiwan também é produto de um cruzamento, entre um CBS/CRS e Snow White. Este novo ponto de vista baseia-se nos estudos de retrocruzamento de Monika Poehler. 


Uma curiosidade interessante é que a incubação dos filhotes é alguns dias mais longa do que dos Crystal normais, e a coloração dos ovos mais intensaEsta nova variedade é a mais delicada das Caridina cantonensis, sabe-se que a sua sobrevivência nos primeiros 15 dias de vida é inferior a 4%. Isto é devido à endogamia constante para manter esta linhagem, e ao fato de que a sua coloração excessiva implica em um metabolismo marcadamente aumentado.




King Kong e Panda, fotos de Novina



A primeira mutação Taiwan descrita foi uma espontânea em um Black Crystal. O resultado é um camarão praticamente negro, muito opaco, com reflexos azulados e pequenas linhas brancas ou azuladas na cauda, metade do dorso, e por vezes na cabeça, enquanto seus olhos são castanhos. Este camarão, pelas suas características, finalmente foi chamado King Kong.


Nesta variedade também são dadas diferentes gradações que vão desde aquela denominada de King Kong Extreme, cuja cor é completamente preta, passando pelos Panda que possuem várias listras pretas e brancas na mesma proporção, até as últimas variantes obtidas onde a quantidade de branco é maior do que o preto (Hinomaru e Mosura).


O taiwanês Yeh Ching Chun também obteve outra variedade vermelha de King Kong, não é muito clara a sua origem, pode-se consegui-la através de duas formas: a primeira é uma mutação espontânea de King Kong negros para vermelhos. Ou através de um cruzamento de um Red Crystal com um Snow White. Esta variedade tem o mesmo sistema de classificação que o King Kong, mas substituindo King Kong por Red Ruby e Panda por Red Wine. Da mesma forma, existe um grau chamado Extreme Red Ruby.




Red Ruby e Red Wine, fotos de Novina




Link para a Segunda parte do artigo

VEJA TAMBÉM
   
Experimentos de Dissolução de Conchas
Algumas experiências para avaliar a compos...
Saiba mais
   
Ampularídeos
Stijn Ghesquiere - Guia básico para manter...
Saiba mais
   
- Lista de Lagostins nativos brasileiros
Lista de "Parastacus" brasileiros
Saiba mais
   
Eclosão do Camarão Red Cherry
Peter Maquire - Fantásticas fotos da eclos...
Saiba mais
   
Variedades de cor na "Pomacea diffusa"
Walther Ishikawa - Variedades de "Pomacea ...
Saiba mais
   
A reprodução do camarão de água doce no aquário
Uma breve explicação sobre o processo de r...
Saiba mais
   
Ampulárias - pêlos na concha, tentáculos no manto
Um curioso achado em filhotes de algumas A...
Saiba mais
   
Cultivando Branchonetas
Marcio Luiz de Araujo - Cultivando Brancho...
Saiba mais
   
Revisão da História da "Caridina cantonensis"
José María Requena - Revisão da História d...
Saiba mais
   
Algas Coralinas de Água Doce
Uma interessante descoberta de 2016, em um...
Saiba mais
   
Ecdise do Camarão Red Cherry
Fantásticas fotos e vídeo da ecdise do Red...
Saiba mais
   
Meus camarões vão se hibridizar?
Ryan Wood - Tabela de compatibilidade de c...
Saiba mais
 
« Voltar  
 

Planeta Invertebrados Brasil - © 2019 Todos os direitos reservados

Desenvolvimento de sites: GV8 SITES & SISTEMAS