INÍCIO ARTIGOS ESPÉCIES GALERIA SOBRE EQUIPE PARCEIROS CONTATO
 
 
    Espécies
 
Efêmeras e Perlas  
Artigo publicado em 19/04/2018, última edição em 19/09/2021  


Efêmeras e Perlas


 

Outros dois grupos de insetos com ninfas aquáticas são as Efêmeras e Perlas. Raramente são encontradas como invasores em aquários, por exemplo, introduzidos junto a plantas ornamentais sem tratamento adequado.

Originalmente este artigo fazia parte daquele descrevendo ninfas de Libélulas e Donzelinhas, com os quais são frequentemente confundidos. Sugerimos sua leitura, o link pode ser visto  aqui .

A identificação da ninfa de Libélula é relativamente simples, com seu corpo atarracado e sem filamentos na cauda. A diferenciação dos outros três insetos é mais sutil, pode ser feita pelo número de prolongamentos na extremidade da cauda (três para Donzelinhas e Efêmeras, duas para Perlas), e seu aspecto (lisa nas Perlas, com aspecto de penas nas Donzelinhas, variável nas Efêmeras). A presença de brânquias laterais, comprimento das antenas e o aspecto dos olhos também são sinais auxiliares.


 



Efêmeras (insetos da ordem Ephemeroptera)

Em inglês são chamadas de "Mayfly", porque no hemisfério norte se torna adultas em grande número na Primavera, no mês de Maio. Existem cerca de 2200 espécies no mundo, cerca de 600 neotropicais, oito famílias têm representantes no Brasil. São os insetos alados mais primitivos que existem, registros fósseis datam do período Carbonífero Tardio, há cerca de 300 milhões de anos. As ninfas são aquáticas, e os adultos insetos alados.

Tamanho: até 3 cm.

Identificação: Ninfas com as seis pernas bem visíveis, corpo achatado e alongado, vivem no substrato. Possuem três cerdas longas na extremidade do abdômen, e guelras filamentosas ou achatadas na região lateral do abdômen. Dois grandes olhos compostos numa cabeça arredondada, partes bucais bem proeminentes. Cabeça menor e menos larga do que as Donzelinhas. Antenas longas e finas. Podem ser confundidos com ninfas de Donzelinhas, que também têm três estruturas longas no final do abdômen.

Habitat e ciclo de vida: Vivem em grande variedade de corpos d´água, sem ou com correnteza. São fortes bioindicadores de qualidade de água. Ovos são depositados na água pelos adultos voadores. Chegado o momento, a ninfa se dirige à superfície, e o adulto emerge, geralmente de madrugada. Porém, este emerge numa forma imatura, chamada "sub-imago", já alada, que realiza uma última muda para a forma definitiva, com maturidade sexual. É o único inseto cuja forma alada realiza ecdise. Costumam se tornar adultos simultaneamente, formando grandes aglomerações. Cerca de 50 espécies se reproduzem por partenogênese. Ninfas geralmente rastejam no fundo, mas podem nadar utilizando as cerdas abdominais.

Alimentação e respiração: Se alimentam de detritos e algas. Algumas poucas espécies são predadores. Adultos não têm boca ou sistema digestório. Trocas gasosas cutâneas, ou nas brânquias externas. Alguns se posicionam na correnteza, para receber oxigenação do fluxo de água. Não gosta de águas turvas, o que dificulta a troca gasosa nas suas brânquias.

Perigo para humanos ou peixes: Inofensivo para humanos, exceto quando emergem maciçamente em algumas regiões (veja abaixo). Inofensivo para peixes, inclusive é predado por peixes maiores.






Baetidae, talvez um Callibaetis, fotografadas em Vinhedo, SP. As fotos mostram o dimorfismo sexual nos olhos, primeira e terceira fotos mostram um macho, segunda e quarta uma fêmea, veja os olhos divididos nas porções basal e turbinada no primeiro. Fotos de Walther Ishikawa.


Curiosidades:

  • O nome "Efêmera" é justificado, possuem vida bem curta na forma adulta, geralmente alguns dias. Existem espécies cujas fêmeas vivem somente alguns minutos.
  • O primeiro registro escrito de Efêmeras foi feito por Aristóteles (384~322 a.C.). Ele testemunhou a emergência de adultos de corpos d´água e teceu comentários sobre sua curta vida.
  • Adultos têm as asas posteriores menores ou ausentes, um exemplo de que a presença de somente um par de asas não é exclusividade dos Dípteros.
  • Efêmeras também são modelos interessantes para a compreensão da evolução de asas nos insetos. Inicialmente pensava-se que de alguma forma as asas tivessem se desenvolvido como projeções torácicas de insetos terrestres. Mas a análise das grandes guelras de Efêmeras, membranosas e com veias, em algumas espécies auxiliares na natação, representa um modelo bem mais elegante e provável.
  • Machos adultos da família Oligoneuridae têm somente as pernas dianteiras desenvolvidas, impossibilitando os insetos alados a pousarem. Vivem por cerca de duas horas, reproduzem-se e morrem. 
  • Algumas famílias têm um exacerbado dimorfismo sexual, machos com os olhos compostos divididos e com a porção superior turbinada (parecendo um turbante), usadas para procurar fêmeas numa visão de baixo para cima, durante o vôo. Esta diferença está presente também nas ninfas, mas menos evidente. As pernas dianteiras dos machos podem ser extremamente longas, usadas para agarrar a fêmea durante a cópula.
  • Podem ser bastante abundantes, existem relatos de até 10.000 insetos por metro quadrado. Perto do Rio Mississippi, nos Estados Unidos, chegam a causar problemas deixando o tráfego de veículos perigoso, devido ao grande volume de animais mortos nas rodovias, deixando-as escorregadias. Neste local, e também no Lago Erie (região dos Grandes Lagos), são tão numerosos que são detectados em radares meteorológicos.
  • Na região do Rio Sepik, na Papua Nova Guiné, são coletados em grandes quantidades para consumo humano.

 




Pequeninas ninfas coletadas numa lagoa em Vinhedo, SP (cerca de 9 mm). À esquerda, da família Caenidae, e à direita, Baetidae. Fotos de Walther Ishikawa.


Família Baetidae: cosmopolita, é a família mais diversa e numerosa dentre toda Ephemeroptera. Como tal, há grande diversidade de hábitos e alimentação das ninfas. Mais comum em ambientes lóticos, a maioria sendo raspadora ou coletora apanhadora, mas existem gêneros filtradores ou até predadores, e ainda algumas espécies mutualistas de bivalves. As ninfas são boas nadadoras. Adultos pousam com a asa em posição vertical, possuem asas posteriores pequenas ou ausentes. Machos com olhos turbinados (exceto Aturbina). Filamento terminal ausente.






Ninfa fêmea de Efêmera, família Baetidae, mede cerca de 2,5cm, coletado em Monte Verde, MG. Fotos de Walther Ishikawa.







Efêmera Baetidae (Callibaetis?) fotografada em Mogi das Cruzes, SP. A primeira foto mostra o subimago, note as asas opacas e translúcidas. A segunda foto mostra um adulto (fotografado no mesmo local, provavelmente da mesma espécie), e a tarceira foto, uma exúvia do subimago. Fotos de Cacilda Salvador.










Baetidae, talvez Callibaetis, fotos de Walther Ishikawa. Fotografadas em Vinhedo, SP. 





Ninfas de Baetidae, fotografadas no Parque Cantareira, Núcleo Engordador, SP. Fotos de Walther Ishikawa.



Pequenina ninfa de Baetodes, família Baetidae, cerca de 4mm, coletado em Monte Verde, MG. Brânquias ventrais, restritas aos segmentos 1 a 5. Note também o filamento mediano reduzido, este exemplar foi inicialmente confundido com um Perlidae. Fotos de Walther Ishikawa.




Ninfa de Baetodes, família Baetidae,
fotografada na Cachoeira do Barbudo, Guarapari, ES. Foto de Flávio Mendes.




Efêmera Cloeon smaeleni, família Baetidae, uma espécie exótica africana. Fotografada em Vista Dourada, Cariacica, ES. Foto de Ester A. Patricio.




Família Caenidae: também de distribuição mundial e numerosa. Suas ninfas se alimentam de algas e detritos, e são encontradas em ambientes lênticos. Possui o segundo par de brânquias modificado em opérculos, que protege os pares subseqüentes funcionais. As ninfas se rastejam no substrato, mas podem efetuar natações breves. Resistentes a poluição, não são úteis como bioindicadores. Adultos com corpo curto e atarracado, pousam com as asas entreabertas, asas anteriores curtas e arredondadas, e quase sem veias cruzadas (crossveins), asas posteriores ausentes.




Ninfa da família Caenidae, fotografada na Lagoa Encantada, Vale Encantado, Vila Velha, ES. Foto de Flávio Mendes.



Caenidae, fotografada em Vinhedo, SP. Note as grandes brânquias do segundo segmento abdominal com aspecto opercular, parecem pequenas asas (em inglês são conhecidos como "squaregills"). Fotos de Walther Ishikawa.






Efêmera Caenis sp., exemplar norte-americano, mas este também é o gênero mais comum da família Caenidae no Brasil. Mede 3,25 mm, fotografado em Madison County, Tennessee, EUA. Fotos de Ken Childs.




Família Coryphoridae: contendo somente o gênero Coryphorus com duas espécies, encontrada principalmente na Bacia Amazônica. As ninfas são encontradas em barrancos de ambientes lóticos. Assim como Caenidae, possuem brânquias operculares, e seus olhos são elevados dorsalmente. Ninfas rastejadoras, com corpo irregular, bastante camuflados, quando ameaçadas podem curvar os filamentos caudais sobre o abdômen. Adultos pousam com a asa em posição vertical, asas anteriores com a porção anterior enegrecida, asas posteriores ausentes. Olhos dos machos bastante grandes.



Família Ephemeridae: trata-se de uma família cosmopolita, mas somente o gênero Hexagenia é encontrada na região Neotropical, e somente H. albivitta é registrada no Brasil. As ninfas são grandes, e possuem colmilhos mandibulares (tusks) bem desenvolvidos. Escavadoras, habitam pequenas galerias em forma de U, alimentação coletora e filtradora. São encontradas tanto em ambientes lênticos quanto lóticos. Adultos pousam com a asa em posição vertical, possuem asas posteriores bem desenvolvidas. Filamento terminal reduzido.




Efêmera Hexagenia albivitta, a única espécie da família Ephemeridae encontrada no Brasil. Fotografada em Morrinhos do Sul, RS. Note as asas posteriores bem desenvolvidas. Foto de Diogo Lucatelli.




Família
Euthyplociidae: pequena família com somente 19 espécies encontradas basicamente no Hemisfério Sul (6 no Brasil). São as maiores da ordem, tanto adultos quanto ninfas, chegando a atingir 35 mm. As ninfas são encontradas exclusivamente em ambientes lóticos, vivendo sob pedras ou bolsões de folhiço. As ninfas possuem longos colmilhos mandibulares, são coletores apanhadores.
Adultos pousam com a asa em posição vertical, possuem asas posteriores grandes.






Ninfas de Campylocia, família Euthyplociidae
, fotografadas na Reserva Biológica de Duas Bocas, Cariacica, ES, note os grandes colmilhos mandibulares. Nesta família estão as maiores Efêmeras conhecidas, exclusivas de ambientes lóticos. Fotos de Flávio Mendes.




Campylocia burmeisteri
, família Euthyplociidae
, fotografadas na Reserva Biológica do Tinguá, Nova Iguaçu, RJ. Foto de Diogo Luiz.



Família Leptohyphidae: restritos ao continente americano, é o terceiro grupo em termos de diversidade de espécies e gêneros na Região Neotropical. São efêmeras de pequenas dimensões, medindo até 10 mm, a família contém alguns dos menores representantes da ordem (Tricorythopsis), chegando a 2 mm. Ninfas vivem exclusivamente em ambientes lóticos, alimentam-se de matéria orgânica em decomposição acumulada. Também possuem brânquias do segmento II operculares. Adultos pousam com a asa em posição vertical, possuem asas posteriores pequenas ou ausentes.




Ninfa da família Leptohyphidae,
fotografada na Lagoa Encantada, Vale Encantado, Vila Velha, ES. Foto de Flávio Mendes.




Efêmera da família Leptohyphidae, macho de provável Traverhyphes fotografada em Ouro Branco, MG. Foto de Tamara Miranda.




Subimago de pequena efêmera, provável
Leptohyphidae, encontrada em grande número às margens de um rio, em Amparo, SP. Foto de Walther Ishikawa.




Ninfa de Leptohyphes, família Leptohyphidae,
fotografada em Tinguá, Nova Iguaçu, RJ. Foto de Diogo Luiz.




Minúscula efêmera, talvez Tricorhythopsis, família
Leptohyphidae, fotografada em Santarém, PA. Fotos de Nelson Wisnik.



Família Leptophlebiidae: cosmopolita, é a segunda maior família de Ephemeroptera em número de espécies e mais diversa com relação ao número de gêneros. Vivem predominantemente em ambientes lóticos, as ninfas são, em geral, rastejadoras e possuem o corpo achatado dorsoventralmente. Alimentam-se raspando partículas fracamente aderidas ao substrato, utilizando para tal as densas cerdas na margem distal das maxilas, ou podem ser filtradoras, auxiliadas por longas cerdas nos palpos maxilares. Adultos pousam com a asa em posição vertical, possuem asas posteriores variáveis, geralmente pequenas ou ausentes. Machos com olhos turbinados. Filamento terminal mediano geralmente bem desenvolvido, mas pode ser reduzido.




Ninfa da família Leptophlebiidae,
fotografada em Santa Leopoldina, ES. Foto de Flávio Mendes.






Thraulodes sp., Leptophlebiidae
, fotografado junto à cachoeira Ponte de Pedra, em Águas da Prata, SP. Fotos de Walther Ishikawa.






Ninfas da família Leptophlebiidae
, fotografadas em um riacho no Parque Serra do Japi, Jundiaí, SP. Fotos de Walther Ishikawa.



Efêmera adulta Leptophlebiidae, foto de André Benedito. Trata-se de um macho, note os olhos divididos em duas porções, uma lateral, semelhante às fêmeas, e uma grande porção dorsal, turbinada.



Família Melanemerellidae: família monotípica da espécie Melanemerellus brasiliana, encontrada somente na Mata Atlântica da região Sudeste. As ninfas são encontradas em ambientes lóticos de altitude. Possuem o segundo par de brânquias modificados em opérculos. Adultos pousam com a asa em posição vertical, possuem asas posteriores pequenasMachos com olhos turbinados.




Ninfa de Melanemerella brasiliana (família Melanemerellidae), foto de Daniela Takiya.



Família
Oligoneuriidae:
grupo relativamente pequeno, com maior diversidade Neotropical. De tamanho relativamente grande, vivem exclusivamente em ambientes lóticos. As ninfas são filtradoras, alimentando-se ao posicionar o corpo contra a correnteza e capturando as partículas em suspensão através de suas longas e pectinadas cerdas na margem interna das pernas anteriores. Os adultos possuem a nervação alar bastante reduzida e estão entre os Ephemeroptera que voam com maior agilidade. As fêmeas possuem as pernas atrofiadas. Adultos não pousam, possuem asas posteriores grandes.




Efêmera
Oligoneuriella sp., (família Oligoneuriidae), fotografado em Brioude, França. Note a quase ausência de venação nas asas. Foto de Jean-Jacques Porteneuve.




Família Polymitarcyidae: grupo amplamente distribuído, mas devido à grande diversidade do gênero Campsurus, mais da metade das espécies encontra-se na Região Neotropical. Grandes, são encontrados tanto em ambientes lênticos quanto lóticos. As ninfas possuem colmilhos mandibulares e vivem dentro de túneis construídos em substratos argilosos pouco ou muito consolidados e até mesmo em madeira submersa. Ninfas de algumas espécies são capazes de produzir casulos de seda. São filtradores, posicionando as pernas anteriores ao lado da cabeça e capturando as partículas com auxílio de cerdas longas e pectinadas nas pernas anteriores e mandíbulas. Asas posteriores grandes. Apenas as pernas anteriores dos machos são desenvolvidas (fêmeas com todas as pernas atrofiadas), incapacitando os alados a pousar. O período de vida neste estágio é bem curto, dificilmente ultrapassando duas horas.




Ninfa da família Polymitarcyidae, fotografada em Vargem, SC. Foto de Francisco Carneiro.




Campsurus sp. (família Polymitarcyidae), fotografado em Caldas, MG. Foto de Ederson Godoy.





Campsurus
sp.
(família Polymitarcyidae), fotografado em Lago Norte, Brasília, DF. Estas fotos destacam a atrofia das pernas médias e posteriores. Fotos de Douglas U. Oliveira.








Dois vídeos mostrando nuvem de Ephemeroptera sobre um rio, filmados em Mogi Guaçu (SP) e Morretes (PR). Vídeos gentilmente cedidos por Allison Bernal e João Arthur Scremim.







Enxame de Efêmeras detectadas em um radar do Serviço Meteorlógico Nacional dos EUA, no Alto Rio Mississippi, em 20 de Julho 2014. A extensão norte-sul do mapa é de cerca de 220 km. Imagens do National Weather Service / NOAA.





Grande quantidade de carcaças de Efêmeras sobre o Veterans Memorial Bridge, na Pennsylvania, EUA, em 22 de Junho de 2015. A ponte precisou ser interditada por questões de segurança, após três acidentes com motos. Foto de Blaine Shahan (LNP / LancasterOnline).





Ninfas de Baetidae, fotografadas em Vinhedo, SP. A primeira foto mostra uma exúvia e uma ninfa. Fotos de Walther Ishikawa.



Para a segunda página do artigo, clique  aqui   
« Voltar  
 

Planeta Invertebrados Brasil - © 2021 Todos os direitos reservados

Desenvolvimento de sites: GV8 SITES & SISTEMAS